SOU EVANGÉLICO, SOU FELIZ, UMA ANÁLISE DAS PRINCIPAIS QUESTÕES DA VIDA EVANGÉLICA

Por apenas: R$ 19,99 com FRETE GRÁTIS PARA TODO O BRASIL

UM LIVRO PARA ABENÇOAR A SUA VIDA.

Veja alguns capítulos que você vai encontrar neste livro.
– Ser evangélico
- Posso ser evangélico sem frequentar a igreja?
– Qual é a roupa de um evangélico?
– Como se comportar no culto evangélico
– O perigo dos cargos
– Como entender os desentendimentos dentro da igreja?
– Seu relacionamento com os demais membros
– Quanto, em dinheiro, entregarei na igreja?
– Quando o sofrimento bate à porta de um evangélico
– Entendendo por que nem todos são curados
– Evangélicos divorciados
– Ouvindo músicas não evangélicas
– Bebida alcoólica no copo de um crente?
– Nem todos falam línguas estranhas?!
– Evangélicos certos de vidas erradas
– Igreja pequena ou igreja grande?
– Excluindo membros - um mal necessário?
– Amigos e relacionamentos apenas com evangélicos?
– O que nos une é maior do que o que nos separa
– O evangélico e a morte – O que importa é ser salvo, ser você e ser feliz dentre outros capítulos.
Comprando este livro você estará abençoando e sendo abençoado. Há algo especial de Deus nele para você.
Um livro que fala de fé e de esperança.

Peça já o seu exemplar!

À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS:


* LIVRARIA DA IGREJA DE NOVA VIDA DE DUQUE DE CAXIAS.
Av. Presidente Tancredo Neves, 687 – Vila Itamaraty(Itatiaia) – D. de Caxias Tel./fax: (21) 3658-3200 E-mail: igreja@novavidacaxias.com.br


* Livrarias Celebrai do Shopping Center de Caxias. Rua Mariano Sendra dos Santos, SN - Duque de Caxias - RJ Quadra 4 - Loja 10 | Cel.: (21) 9346-7347 - Tel.:(21) 2671-6073

* LIVRARIA ITATIAIA NO UNIGRANRIO SHOPPING CAXIAS.
Rua Prof. José de Souza Herdy 1216. 25 de Agosto - Duque de Caxias. Tel. (21) 2671-2808


* EDITORA CONSELHO. Av. Eunice Gondin, 160, sala 206, Recreio dos Bandeirantes, RJ Tel. 3326-3844


COMPRE AGORA E RECEBA O LIVRO EM SUA CASA COM A SEGURANÇA DO pagseguro

Por apenas: R$ 19,99

Frete GRÁTIS para todo o Brasil

Através do pagSeguro você compra parcelado através dos principais cartões de crédito.
Compre também por telefone:(21) 99697-4191 e peça seu exemplar. Você vai recebê-lo na comodidade da sua casa, com total segurança e a credibilidade dos correios. Você pode comprar também por depósito bancário: Deposite o valor de R$ 19,99 na seguinte conta: Banco Santander: Agência: 4618 Conta Corrente: 01001027-8 Envie-nos e-mail constando a a data e a hora o depósito, seguido de seu endereço completo, com CEP e telefone para contato.

Você receberá em sua casa o livro SOU EVANGÉLICO, SOU FELIZ. Uma análise das principais questões da vida evangélica.

Você vai entender muito do que acorre dentro de uma igreja evangélica no Brasil. Vai ter a fé despertada, o amor a Cristo, à igreja e a você mesmo racionalizados e fortalecidos de forma simples mas, direta.

Não perca mais tempo! Investir em conhecimento é investir em você. Peça agora e seja muito abençoado pelo que vai ler e aprender.
UM LIVRO QUE TRATA DE FORMA PRÁTICA QUESTÕES VIVIDAS DENTRO DA IGREJA EVANGÉLICA.

domingo, 23 de dezembro de 2012

O mundo acabou também.




O ano está terminando. O mundo não acabou em 2012, como apontava o calendário maia, mas o ano está acabando. Há pessoas que realmente desejavam que o mundo tivesse acabado, acreditando que seria o fim de seus sofrimentos. Mas, perceberam que o controle de nossa existência continua totalmente fora da capacidade  da compreensão humana.

Este mundo fisicamente acabou para aqueles que partiram dele, para aqueles que já se foram, aqueles que já morreram. Mas, o mundo em si, como o conhecemos continuará existindo até quando for a vontade do Deus Criador, que o fez, segundo sua incompreensível onisciência e o seu indescritível poder.

No livro de Eclesiastes capítulo 3, versículos 14 e 15, da Bíblia Sagrada está escrito: “Eu sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe deve acrescentar, e nada se lhe deve tirar; e isto faz Deus para que haja temor diante dele.
O que é, já foi; e o que há de ser, também já foi; e Deus pede conta do que passou.”

O que parece ser uma grande novidade hoje já foi em tempos passados. Os recursos naturais presentes na Terra que utilizamos foram utilizados pelos que vieram antes de nós e serão utilizados também por aqueles que nos sucederão.

O que dizemos que são nossos bens, serão bens de pessoas que ainda não vieram a existir, pessoas que ainda não possuem nomes, que construirão seus sonhos e suas histórias no mesmo pedaço de chão que pisamos hoje, e que com uma folha de papel dizemos que nos pertence por direito. Na verdade tudo pertence a Deus, vem d’Ele e sera eternamente d’Ele. O que fazemos é apenas utilizar por um espaço de tempo. Assim como os maias utilizaram, essa é a nossa vez. O que será depois de nós? Somente o Deus Criador o sabe.

Portanto, deixemos apenas um mundo acabar dentro de nós: o mundo das maldades, das incertezas, das frustrações,  das injustiças, das tristezas, das coisas desprezíveis e passageiras as quais quem as matou, passou a viver um outro mundo muito mais substancial, o qual não se baseia em matéria, mas na esperança, na fé, na vida, na alegria do Espírito Santo. Ainda na bondade, fraternidade não fingida, na misericórdia, no perdão e sobretudo no amor, o qual quem escolhe como único bem e tesouro recebe a vida eterna através do cumprimento implícito de todos os mandamentos, e consequentemente a vida eterna ao lado de Jesus Cristo o Filho de Deus.

Feliz Natal e Feliz 2013. Que seja um ano que vivamos como recém-nascidos em busca de um digno e feliz novo mundo para todos.

"DO SENHOR é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam." (Salmos 24.1)

Gilberto Horácio

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Cuidado com o que te oferecem a comer.



A tradição do direito de primogenitura é a entrega ao filho mais velho, aquele primeiro nascido, o domínio e o controle sobre a herança da família quando ocorrer a morte dos pais.

A Bíblia nos apresenta muitos textos mencionando a primogenitura. Entretanto, nada mais marcante do que o episódio de Esaú e Jacó. Gêmeos, filhos de Isaque, filho do grande e poderoso Abraão.

O texto bíblico de Gênesis 25 narra que Esaú era primogênito de Isaque e Rebeca, visto que na hora do parto Esaú nasceu primeiro que Jacó e portanto tinha em seu futuro a posse garantida de todos os bens pertencentes a seu pai. Mas, em um determinado dia voltava do trabalho no campo com tamanha fome que estava a ponto de morrer, quando viu que seu irmão, Jacó, fazia um guisado de lentilhas.

Ao pedir ao seu irmão para que lhe desse a comer do guisado teve uma condição imposta por ele. Jacó lhe daria seu guisado, se Esaú abrisse mão do seu direito de primogenitura. Tamanha era a fome de Esaú, que deixou-se levar por algo temporal e momentâneo que era o prazer de saborear instintivamente aquele alimento; assim, abriu mão de sua primogenitura, comeu do guisado e saciou sua fome.

Ao estar livre de sua fome quase mortal, Esaú percebeu o erro que cometera. Ele trocou algo eterno e duradouro, trocou seu futuro e sua herança eterna por algo passageiro e finito.

Mas, já não havia mais como voltar atrás, tamanha a seriedade que jurara a seu irmão que lhe daria a sua primogenitura.

“E Jacó deu pão a Esaú e o guisado de lentilhas; e ele comeu, e bebeu, e levantou-se, e saiu. Assim desprezou Esaú a sua primogenitura. (Gênesis 25.34)

Veja o risco que corremos a todo o tempo de nossas vidas. A todo o momento somos confrontados com ofertas de coisas passageiras e temporais, coisas de satisfação momentânea que tentam tirar de nós aquilo que é nosso direito: a herança da salvação eterna, como também de uma vida abundante e de paz, de uma vida em comunhão com o próprio Deus.

 Quantas pessoas aceitaram a proposta de trocar sua vida religiosa e seus princípios cristãos que lhe asseguravam a vida e a felicidade verdadeira por coisas passageiras. Tais coisas se passaram, mas suas primogenituras, pureza, sonhos, esperança, fé, paz, família, felicidade... e tantas outras coisas,  foram perdidas.

Pedro escreveu: “Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar;” (I Pedro 5. 8) 

Devemos estar atentos onde estamos colocando os nossos pés, com quem estamos nos envolvendo e ainda mais, o que estamos aceitando como troca por nossas vidas. Pensemos e criteriosamente  analisemos as alianças, que porventura estão nos propondo. Vigiar é orientação bíblica e  proteção  para que não choremos amargamente por uma escolha frustrada, deixando aquilo ou aqueles que realmente eram nosso verdadeiro patrimônio, por um simples prato de lentilhas ou quem sabe, trinta moedas de prata.


Gilberto Horácio

sábado, 17 de novembro de 2012

Jesus te manda procurar o médico e o sacerdote.




São muitas as situações que querem nos fazer desistir. Entretanto, para aqueles que possuem a dádiva da fé, jamais existirá um ponto final. A fé nos faz crer no que Jesus disse, e pronto e acabou!

Certa vez, Jesus passou pelo meio de uma cidade chamada Samaria, e quando ia passando apareceu-lhe dez homens leprosos implorando a cura. (Lucas 17.11) Um leproso era tido como alguém imundo e era proibido de aproximar-se das pessoas, o que causava uma dor física e também emocional que levava o doente ao isolamento e a morte na solidão.

Ao ver a situação daqueles homens, Jesus teve, grande compaixão deles. Por seu grande amor, poderia ter dado uma palavra que os curassem imediatamente. Entretanto,  Jesus fez algo interessante; ele disse aos leprosos que fossem mostrar-se ao sacerdote, porém não os disse que seriam curados.

Diante de momentos assim só temos uma opção: crer nas palavras de Jesus. Eles foram mostrar-se  ao sacerdote. Quando foram, ficaram curados. Já imaginou se eles não tivessem ido?! Se eles não tivessem acreditado?! Morreriam em amargura de dor pela lepra que os consumia.

Existia na lei de Moisés (Levítico 14) orientação para todo leproso, que ficasse curado da lepra fosse procurar um sacerdote para fazer os rituais de purificação e atestar o restabelecimento da saúde do doente e assim este pudesse voltar ao convívio da sociedade.  E foi isto que Jesus pediu que os leprosos fizessem, declarando já a cura deles, por sua autoridade.

Jesus  nos deu  a mesma certeza de cura. Ele nos envia aos médicos e especialistas que apenas tratam de doenças e atestam curas e milagres realizados por suas mãos de misericórdia e poder. Ele nos envia aos sacerdotes para testemunharem e registrarem o poder de Deus que é vivo e real em nossos dias. O sobrenatural pode ocorrer em qualquer um de nós, porque Jesus de Nazaré continua existindo e operando em nosso meio.

Somente um dos homens que fora curado voltou para agradecer pelo milagre que recebera, ao ficar livre da lepra. Jesus, então, exclamou interrogando: “Não foram dez os limpos? E onde estão os nove? Não houve quem voltasse para dar glória a Deus senão este estrangeiro?” (Lucas 17. 17,18)

Jesus nos ensina, a procurar os médios, a medicina, e o cumprimento da lei. Indo lá, em um ambiente de angústia e de entendimento do que é a saúde, a vida e a possibilidade de morte, Ele nos curará e nos enviará aos sacerdotes nos Templos para testificarem e glorificarem conosco ao Soberano nome de Jesus que tem todo o poder.

Através da fé, não há um ponto final na vida de quem pode crer, mas um ponto-e-vírgula escrito pelas mãos do próprio Cristo.

Gilberto Horácio

sábado, 27 de outubro de 2012

Não acredite que seremos "Sempre Vencedores"



Nunca devemos ser prepotentes e dizer que sempre vamos vencer. Na vida temos derrotas sim, e temos que aprender a viver com esta realidade. O apóstolo Paulo, escreveu, ao citar diversas dificuldades que um ser humano enfrenta na vida que "sobre todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou." (Romanos 8. 37) 

Neste, contexto, entretanto, vejo que ele se referia às atrocidades da vida que tentam nos separar do amor de Deus. Sobre estas, podemos ter certeza, que a todas venceremos, pois nada nos separará do amor de Deus que está em Cristo Jesus. Entretanto, em nossa caminhada da vida, sofreremos muitas derrotas sim.

O perigo de criarmos em nós a ideia de que seremos sempre vencedores, ou fazermos alguém pensar assim, é a vivermos despreparados para derrotas. E quando aparecerem, não saberemos lidar com elas.

Por isso há no mundo pessoas que matam. Não sabem lidar com a derrota. Não aprenderam que na vida, um dia a gente perde e em outro dia nós ganhamos. Faz parte da vida. Esta concepção de “sempre vencedor”, nos aspectos gerais da vida, não é uma verdade. Temos que saber reconhecer quando perdemos e aprendermos com as lições tiradas em cada derrota.

É preciso ensinar as pessoas e principalmente as crianças a encararem os fracassos como relevante fonte de ensino para nos mostrar falhas e vulnerabilidades. Não devemos ser ou criar pessoas supostamente invencíveis que somente descobrem que são vencíveis quando a inquestionabilidade evidência de uma derrota acontecer.

"Há tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de lançar fora;" (Eclesiastes 3.6)

Gilberto Horácio

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Por que, pois, desprezaste a palavra do SENHOR?



Quanto custa desprezar a Palavra de Deus? Por que o ser humano despreza a Palavra através da qual tudo veio a existir? Esta também foi a pergunta que Davi, rei de Israel ouviu de Natã, profeta, o qual Deus usou para repreender o pecado de Davi, quando em uma cilada fez com que um de seus soldados fosse morto, para poder ficar com a sua mulher. Que terrível erro um homem que tem tudo nas mãos, que conhece e ama a Deus pode cometer. "Deus enviou o profeta a Davi e lhe disse: “Por que, pois, desprezaste a palavra do SENHOR, fazendo o mal diante de seus olhos? A Urias, o heteu, feriste à espada, e a sua mulher tomaste por tua mulher; e a ele mataste com a espada dos filhos de Amom."

Quantas vezes vemos no noticiário acontecimentos que nos deixam perplexos diante de crimes cujos executores são pessoas sem personalidade violenta e sem antecedentes criminais. Porém, em algum dado momento parece que esquecem de todos os princípios do equilíbrio e da razão e tornam-se criminosas, deprezando qualquer ensino, ainda que seja da Palavra de Deus.

As consequências de nossos atos podem ser por toda uma vida, por isso, devemos ter a dimensão de nossas fraquezas para não desprezarmos a Palavra de Deus e pagarmos alto preço por isso. Davi perdeu seu filho, que morreu como consequência de sua inacreditável e inesperada maldade que o levou a esquecer-se de Deus para praticar tamanha transgressão.

Qualquer um corre o risco de "surtar", pois temos uma alma que utiliza um corpo físico, sujeito a “falhas” e “panes” como qualquer outro equipamento. Entretanto, se não queremos perder o equilíbrio, a sensatez e o juízo, devemos olhar para a Bíblia e vermos os exemplos de quem errou e de quem acertou com suas consequências correlatas.

Por que desprezamos tantas vezes a Palavra de Deus? Essa mesma Palavra que perdoa, que é misericordiosa e graciosa. Por que tanta gente cai em ruínas e abandona a fé, e a retidão? Quantos políticos se venderam! Quantos cristão se esqueceram do chamado do Cristo que morreu por nós, sendo Ele mesmo a propiciação por nossos pecados.

Saiba que chega um tempo na vida de todos nós que tudo nos será tirado pela idade que nos consome, corrói e enfraquece a cada dia. A única coisa que nos restará, será o consolo bendito da inexplicável Palavra de Deus. Por isso, não confiemos demais em nós mesmos, nem em nossa capacidade física e mental, pois podemos ser derrotados por nossa próprio limitação.

Confiemos sim nas Palavras de Jesus, o qual nos disse: “O espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos disse são espírito e vida. (João 6. 63)”

Nelas devemos nos firmar, amar, respeitar, aprender, ensinar e viver até Ele nos chamar.

Gilberto Horácio

terça-feira, 25 de setembro de 2012

A real motivação da existência da igreja


A igreja precisa estar atenta às obrigações de sua missão. A missão da igreja, além de pregar o evangelho é cuidar de vidas. Promover a educação, a saúde e a qualidade de vida de seus membros, como também da comunidade onde está inserida. Neste foco é preciso que a igreja disponibilize meios de alcançar os marginalizados. Ela deve primeiramente produzir uma educação interna para promover a consciência nos cristãos da responsabilidade que todos devem ter de promoverem frentes de ação social que alcance a todos os excluídos.

Um exemplo seria elaborar projetos que atendam pessoas com necessidades especiais, como os deficientes visuais, por exemplo. Hoje já existe a Bíblia em braile, como também muito conteúdo literário cristão que pode ser oferecido pela igreja. Outro projeto a ser desenvolvido na grande maioria das igrejas, é a adaptação dos templos para a acessibilidade facilitada para os cadeirantes e pessoas com dificuldades de locomoção.

A igreja poderia também ter atividades para os idosos e subsidiar abrigos para os mesmos. Fisioterapeutas, psicólogos e médicos colocados a disposição.

Em relação às crianças, a igreja pode promover atividades junto à comunidade complementando o tempo de estudo, utilizando-se do tempo livre que as crianças possuem após saírem da sala de aula do ensino regular.

Programas de planejamento familiar, de amparo a mães-solteiras. A criação de bancos de emprego e oficinas de capacitação para profissionais desempregados também podem ser sucesso e fator de transformação.

Atendimento e recuperação de pessoas que desejem atendimento psicológico e médico para deixarem os vícios das drogas e do álcool podem também ser promovidos pela igreja assim como a captação e atendimento social de moradores de rua. A igreja tem nas mãos o poder de transformar a sociedade e promover um mundo melhor e esta deve ser a real motivação da existência da igreja.

"E, respondendo Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram, e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto.  E, ocasionalmente descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo.  E de igual modo também um levita, chegando àquele lugar, e, vendo-o, passou de largo. Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão;  E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele;  E, partindo no outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida dele; e tudo o que de mais gastares eu to pagarei quando voltar. Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo(igreja) daquele que caiu nas mãos dos salteadores?
E ele disse: O que usou de misericórdia para com ele. Disse, pois, Jesus: Vai, e faze da mesma maneira.” Lucas 10 30-37


É preciso que quando um crente (bom samaritano) passe por um marginalizado ele tenha uma "hospedaria" e um "hospedeiro" habilitado a socorrer o ferido. O bom samaritano tinha sua vida e seus compromissos, assim como eu e você também temos os nossos. Ele não poderia perder muito tempo com os "feridos da estrada" Porém, ele além de amar e se importar, tinha uma "hospedaria", um lugar para cuidar daquela vida.


Gilberto Horácio

sábado, 1 de setembro de 2012

Uma passagem para bem longe da Presença de Deus.




Jonas, um homem que tem sua história contada em um dos livros da Bíblia Sagrada que traz seu nome, nos oferece muitos ensinos. Um destes ensinos nos mostra as consequências sofridas por aquele que, de forma consciente, entende que foi chamado por Deus para uma missão específica em sua geração mas, mesmo convicto disto, foge da presença de Deus e do chamado para o qual foi designado nesta vida.

Jonas recebeu uma ordem de Deus para ir a cidade de Nínive e profetizar contra ela, notificando que eles deveriam arrepender-se pois a vida pecaminosa que viviam traria sobre eles repentina destruição. Entretanto, Jonas, para fugir da Presença do Senhor, comprou uma passagem em um navio e navegou para outro lugar. Por conta desta desobediência, houve uma grande tempestade, provocada por Deus, que comprometeu a vida de todos aqueles que estavam no mesmo navio, que quase veio a naufrágio. A tempestade somente passou após Jonas ser lançado ao mar. Clamando, do fundo do abismo, Deus o salvou.

Quantas consequências sofremos e também causamos a outras pessoas que estão no "barco" de nossa vida, quando deixamos de cumprir aquilo que o Senhor Deus designou para nós, quando pagamos por uma passagem para fugirmos para bem longe da presença do Senhor, para um lugar muito distante, achando que assim fugiremos das responsabilidades e compromissos conferidos a nossa missão.

Cada ser humano veio a este mundo cumprir uma missão e um papel na grande “orquestra” que é a vida. Quando viajamos para o lado oposto de “Nínive” com a passagem que nós conscientemente compramos, para fugirmos da Presença do Senhor e do seu chamado, iremos nos encontrar, um dia, no fundo de um abismo. E somente buscando socorro em Deus, e voltando para o curso de nossa história, encontraremos a vida e a paz. 

Quantas pessoas se suicidam a cada dia. Quantas pessoas estão aprisionadas em cadeias, outras morando nas ruas, mesmo tendo família e identidade. Quantas pessoas vivem a base de medicamentos, drogas, religiosidade.... em virtude de estarem há anos sofrendo as tempestades da vida, consequências de terem comprado, um dia, uma passagem que as levaram para bem longe da Presença do Senhor Jesus.

Faça como Jonas fez, se este for o seu caso; mesmo do fundo do abismo, Jesus ouve nosso clamor e nos coloca novamente no curso eterno de nossa vida, pois só na Presença de Jesus há vida, alegria e paz.


“Jonas se levantou para fugir da presença do SENHOR para Társis. E descendo a Jope, achou um navio que ia para Társis; pagou, pois, a sua passagem, e desceu para dentro dele, para ir com eles para Társis, para longe da presença do SENHOR.
Mas o SENHOR mandou ao mar um grande vento, e fez-se no mar uma forte tempestade, e o navio estava a ponto de quebrar-se. E levantaram a Jonas, e o lançaram ao mar, e cessou o mar da sua fúria. Eu desci até aos fundamentos dos montes; a terra me encerrou para sempre com os seus ferrolhos; mas tu fizeste subir a minha vida da perdição, ó SENHOR meu Deus.
Quando desfalecia em mim a minha alma, lembrei-me do SENHOR; e entrou a ti a minha oração, no teu santo templo” (Trecho de alguns versículos do início do livro de Jonas da Bíblia Sagrada que contam esta história)

Gilberto Horácio

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Vamos começar uma nova Igreja?


Acima vemos a foto do coreto no bairro do Méier, subúrbio do Rio de Janeiro, que virou símbolo do início da Igreja Universal do Reino de Deus onde Edir Macedo com um teclado, microfone e uma Bíblia, ia todos os sábados pregar para poucos.  A primeira igreja foi erguida onde funcionava uma antiga funerária, no bairro da Abolição, no Rio. O primeiro culto foi realizado naquele local, em 9 de julho de 1977.
Uma antiga fábrica de móveis no número 7.702 da Avenida Suburbana foi alugada, parecendo ser o local ideal para iniciar a obra. O galpão se tornou o grande templo da Abolição, que atualmente, comporta 2 mil pessoas sentadas. A Igeja Universal hoje está em 180 países. Ela é um exemplo de como é possível sim uma igreja se expandir rapidamente. Mas, é preciso analisarmos e refletirmos se, somente o esforço humano poderia adquirir tais feitos. Acredito que as evidências mostram que não. Assim ocorreram com os trabalhos batistas, presbiterianos, assembleianos e outros vários em todo o mundo.
Jesus foi o fundador da Igreja. "Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo" (Efésios 5.23b). A Igreja hoje é formada por milhares de grupos cristãos em todo o mundo. No Brasil especialmente há centenas de denominações em cada bairro. Talvez pudessem dizer: - “É melhor ter uma igreja, do quer ter um botequim.” Mas, é de se racionalizar a coisa e pensar que estamos nos segmentando de forma absurda, e esta granularidade alta pode trazer problemas.
Trago à reflexão a seguinte pergunta: É melhor ter uma igreja em cada esquina com um pastor e um grupo de cinco pessoas, ou termos uma igreja em cada bairro, mas igrejas fortes com vários diáconos e presbíteros? Não seria melhor transformar estes diversos pastores e seus cinco membros em diáconos, presbíteros e obreiros em geral constituindo com o “servir” na casa de Deus, em igrejas bem estruturadas e fortes?
Jesus nos ensinou que Ele mesmo veio para servir e não para ser servido, deixando-nos o exemplo. "Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos." (Marcos 10. 45).
Se você já iniciou uma igreja, meu irmão e amigo pastor, de forma independente, siga em frente e que Deus o abençoe sabendo que será preciso arar penosamente a terra para colher, no futuro seus frutos. Mas, se você ainda não o fez, é aconselhável orar e racionalizar nossas motivações para entendermos que há cidades interioranas no Brasil que não tem nenhuma igreja, enquanto nos centros urbanos temos uma igreja, realmente em cada esquina.
Acredito que no local da maioria destes templos, de fato, não precisamos de igrejas, mas de crentes comprometidos em ser a transformação para o mundo através da fé. Se Deus ministrar em nosso coração para a abertura de novos trabalhos, certamente nos impulsionará a seguir rumo às cidades ainda sem a presença da igreja. Devemos repensar nossas verdadeiras motivações.
Gilberto Horácio

domingo, 29 de julho de 2012

Onde estão as sementes de nosso jardim.


Você tem um jardim em casa? Se você tem, sabe bem qual é o prazer de acordar e ver sol brilhando nas pétalas das flores, como se as acarissiasse, molhadas do orvalho da madrugada. Esta é a recompensa de todo o esforço necessário para manter o jardim vivo. Se você não tem um jardim, certamente conheci um.

Nenhum jardim é igual ao outro. O que os difere são as espécies que neles estão plantadas. Muitos são floridos de rosas, jasmins, orquídeas, azaléias, bromélias, lírio, violetas e mais centenas de outras espécies. Somente você poderá definir como será seu jardim; quais são as flores que nele existirão, quais as cores que o colorirá.

No livro do profeta Isaísas capítulo 61, versículo 11 está escrito o seguinte: “Como a terra produz os seus renovos, e como o jardim faz brotar o que nele se semeia, assim o Senhor Deus fará brotar a justiça e o louvor perante todas as nações”.

A Palavra de Deus é tão preciosa que cada palavra escrita em uma frase é fundamento para que se faça exegese, e se discurse durante horas. Para que se tenha idéia de tamanha profundidade de conhecimento e sabedoria escrita em cada letra é importante que tenhamos a noção de que a Bíblia foi escrita em um período de 1500 anos, por 40 autores diferentes e em três idiomas: o hebraico, o aramaico e o grego. Foi copiada à mão séculos e séculos, por pessoas especialistas, especificamente os escribas, com tamanha reverência que tinham que se lavar e limpar a cada vez que fossem trabalhar estas cópias e a cada vez que a palavra JEOVÁ fosse escrita, eles tinham que limpar a caneta.

E diante de tamanha sabedoria peguei esta frase: “o jardim faz brotar o que nele se semeia.” Isso significa dizer que nós vamos ter em nosso jardim, que entendo que seja a nossa vida, somente o que plantarmos nela. Se plantarmos valores que sejam do direito, da verdade, da honestidade, da fé, do cristianismo, da paz, do amor, da sabedoria, em nossas vidas será isso que nós colheremos, mas se plantarmos o oposto a isso, nós colheremos exatamente o que plantamos.

O que você tem plantado sem seu jardim? Saiba que as sementes estão escondidas na Palavra de Deus. Basta abrir este celeiro e você vai ter semente a semear em seu jardim. Depois basta aguardar e colher todos os buquês que vamos florir a vida de todos os homens.
 
Gilberto Horácio

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Não receber Jesus Cristo como Salvador apenas.


Milhares de pessoas se tornam cristãs todos os anos. Pessoas que fazem uma oração, dizendo receber Jesus como salvador de suas vidas. Entretanto, isso não significa muito. Para receber a vida eterna é preciso receber Jesus como Senhor  também. Alguém, de fato, digno da vida eterna, é aquele que recebe Jesus Cristo como Senhor e Salvador de sua vida.

Receber Jesus como salvador é aparentemente imediato e sobrenatural, uma vez que o indivíduo é ensinado, que um simples levantar de mãos, ou uma oração dizendo: “Jesus eu te recebo como Salvador” o livrará de uma iminente condenação eterna. Porém, para entrar no Reino dos Céus é preciso reconhecer o senhorio do Rei deste Reino, que é o Senhor Jesus. Só reconhecemos este senhorio quando nos colocamos submissos a sua vontade, quando somos seus servos, ainda que Ele nos chame de amigos. Ele disse: "Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando." (João 15.14)

Para servir ao Senhor Jesus é preciso obediência. Sem obediência não há submissão e nem respeito a autoridade alguma. Pregar o evangelho é fácil. Cantar louvores mais fácil ainda. Vestir roupas moderadas, filiar-se a um grupo religioso protestante, andar com a bíblia ou camisetas cristãs não fazem de ninguém um discípulos de Jesus Cristo, muito menos um cidadão dos céus. Para seguí-lo, e ser digno de entrar em Seu Reino Celestial após nossa morte,  é preciso reconhecer seu domínio sobre nossas vidas.  É preciso temê-lo, respeitá-lo, obedecê-lo. É uma luta constante, pela salvação.  Tiago capítulo 1, versículo 22 diz: “E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos.”

O ouvinte apenas "aceitou" a Jesus como seu Salvador; o praticante obedece os mandamentos do seu Senhor, e passa a ter um Salvador. No céu somente entrarão aqueles que O receberem como Senhor e Salvador. E o maior mandamento é o amor. Quem ama, cumpre toda a lei, cumpre toda a obediência e viverá eternamente. “Porque assim vos será amplamente concedida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. (II Pedro 1.11)
Gilberto Horácio

domingo, 1 de julho de 2012

Quando há dúvidas do caminho a seguir.


Esta semana, a caminho do trabalho, alguém me perguntou a direção de um  determinado hospital.  Informei a esta pessoa que bastaria que ela virasse à esquerda na primeira rua e à direita na rua seguinte e chegaria no local que procurava. Ela já estava bem próximo de seu destino, mas não sabia disto. Neste momento, continuando minha caminhada, pensei:  - “Se eu tivesse informado o caminho errado a esta pessoa, mesmo estando tão perto de chegar, ela poderia ter se distanciado ainda mais.” Ela precisou confiar em mim, e seguir exatamente a orientação que lhe dei.

Tomé, um dos discípulos de Jesus, certa vez,  também teve dúvidas sobre o caminho a seguir. Jesus lhes falava sobre o futuro, sobre o fato de em breve deixar este mundo físico e voltar para os céus. Tomé não entendeu de forma clara e fez ao mestre a seguinte indagação: “Senhor, nós não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho?” Logo lhe respondeu Jesus: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida;” (João 14. 5, 6).

A resposta de Jesus a Tomé, foi o que me veio à mente naquela manhã em que eu caminhava para o trabalho. “Jesus é o caminho a seguir”. E Jesus é o caminho a seguir porque ele jamais ensinaria um caminho errado para que eu me distanciasse ainda mais de meus objetivos e metas. Porque Ele é a verdade posso confirar em suas palavras. Provérbios capítulo 14, versículo 12 diz que “há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte.”  

Quantas pessoas estão andando em caminhos que parecem direito mas o fim deles são caminhos de morte. Há pessoas que por não conhecerem o caminho correto foram orientadas e guiadas por pessoas erradas que lhes apresentaram um caminho errado. Tão próximas da vida, da salvação, de chegarem ao alvo que é Cristo, da felicidade e  da eternidade nos céus, se enveredaram por caminhos errados baseados nas orientações equivocadas de “estranhos” inconfiáveis.

Cuidado com os caminhos pelos quais você tem andado meu irmão, minha irmã. Cuidado com as pessoas que lhe apresentaram estes caminhos. Cuidado com aqueles que até parecem conhecer o caminho, pela segurança com que falam, mas na verdade não conhecem para onde eles mesmos estão caminhando.

Em um mundo em que temos que fazer escolhas a todo o momento, que possamos ter a humildade, a intrepidez, ousadia, sinceridade e preocupação de Tomé. A decisão de tomar todos os cuidados para não errar o alvo. Em qualquer de nossas dúvidas, que possamos dizer: “Senhor, como posso saber o caminho?" "Vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno. (Salmos 139. 24) 

Gilberto Horácio

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Não é importante conhecer Jesus.


Se você se dirigisse hoje ao Palácio do Planalto, onde é a sede do Poder Executivo Federal, local onde está o Gabinete Presidencial do Brasil e dissesse que precisaria falar com o presidente porque o conhece, certamente seria impedido pela guarda oficial do Palácio Presidencial. Entretanto, se o presidente conhecer você, certamente ele diria que você deveria entrar e o trataria com honrarias.

É isso o que precisamos entender quando nos aproximamos de Jesus. Não basta dizer que o conhecemos para dizermos que somos seus discípulos, que somos seus amigos, como Jesus mesmo disse que seus seguidores não seriam servos, mas amigos.

Para dizermos que realmente somos cristãos na essência, que somos seguidores do Senhor Jesus Cristo, precisamos ser conhecidos por Ele. Não basta conhecê-lo, é preciso ser conhecido por Jesus. Se Ele conhecer você, como ser único, como instrumento valioso em Suas mãos Ele lhe tratará com honrarias e serás verdadeiramente um amigo do Senhor.

Hoje, vemos pessoas querendo mostrar estarem incluídas no Reino de Deus, por fazerem funcionar organizações sociais que chamam de igreja, quando na verdade devemos simplesmente estar incluídos no Reino de Deus pelo que em oculto fazemos pelo Reino de Deus, não querendo ser vistos pelos homens, mas vistos por Deus. “E fazem todas as obras a fim de serem vistos pelos homens; pois trazem largos filactérios, e alargam as franjas das suas vestes, e amam os primeiros lugares nas ceias e as primeiras cadeiras nas sinagogas, E as saudações nas praças, e o serem chamados pelos homens; Rabi, Rabi”. Mateus 23.5-7

Filactério é o nome dado a duas caixinhas de couro, cada qual presa a uma tira de couro de animal puro, dentro dos quais estão contidos pequenos pergaminhos com quatro trechos da Bíblia (precisamente da Tora). São estes os trechos: Êxodo 13.2-10, Êxodo 13.11-16, Deuteronômio 6.4-9 e Deuteronômio 11.13-21. Eram usados na fronte ou nos braços. Os filactérios eram usados nas horas das orações da manhã. Não entro na questão teológica sobre seu uso. Isso é uma questão para os judeus. E respeito-os. Mas, apenas concentro-me no ensino que Jesus nos deixou, mencionando o filactério  como exemplo de exibicionismo religioso.

Os filactérios são utilizados ainda hoje pelos judeus e ainda que não sejam físicos, também são usados, de outras formas, na vida de muitos cristãos que fazem questão de mostrar sua aparente vida religiosa e de serviço eclesiástico quando na verdade não  são conhecidos por Jesus. A essência do cristianismo é a transformação da vida, e de forma íntima e privada, que de alguma forma se exterioriza em frutos e obras em amor a Deus a ao próximo, que fazem com que alguém seja identificado, realmente como um verdadeiro cristão; que fazem com que alguém seja conhecido por Jesus.

Muitos cantores, diáconos, obreiros, pastores, presbíteros, bispos, apóstolos, padres, monges, mestres, papas, missionários... não são conhecidos por Jesus. Mas, não se importe com isso, importe-se em fazer com que Jesus conheça você.

“Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.” Mateus 7.22,23

Gilberto Horácio

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Sua estrada tem propósito?


Há um provérbio que diz que “quem não sabe para onde vai, qualquer estrada serve”.  Quem vive de acordo com este provérbio, na verdade, vive uma vida sem propósitos.   Ter propósitos é essencial e o pilar de uma vida vitoriosa. Julgo ter alcançado nem perto dos propósitos aos quais, desejo conquistar. Mas, isto não me faz desanimar.  Uma vida sem propósitos é a razão da infelicidade de muitas pessoas.
Ver a vida “passar pela janela” é outra expressão que retrata esta realidade. O comodismo, o lugar de conforto, a ausência de estratégias, projetos, desafios e planos torna-nos meros espectadores da vida e dos acontecimentos. É preciso reflexão, compromisso e coragem para decidir mudar, trabalhar as mudanças, estruturar projetos, arquitetar estratégias, meios de se conseguir o que se quer, e cumpri-los diariamente sem desanimar, com a certeza que o poderoso Deus, nos garantirá todos os subsídios necessários para alcançarmos o que quisermos. A parte que Deus fará por nós está descrita no Salmo 4 da Bíblia Sagrada (vale a pena conferir).  É preciso definir um caminho e nele seguir, é preciso escolher uma estrada, ainda que empoeirada e cheia de buracos. Entretanto, se for a estrada que eu precise caminhar para alcançar meus alvos, é nela que devo seguir. Quantos espinhos se formam nestas estradas! Sabe por quê? Porque normalmente são poucos os que querem andar em estradas difíceis. Entretanto, se for preciso nesta estrada passar para alcançar seus sonhos, não hesite , vá em frente.

Sofrer as labutas do cotidiano é a realidade do TODO ser vivo, mas, se sofrermos sem ideais apenas sofremos. Se sofrermos no percurso de alcançar os ideais, seremos felizes em cada dor, pois estaremos mais perto do que buscamos, e saberemos que é uma aflição passageira e vai valer a pena.

"Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas."  (Mateus 6.33)

"Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim,"  (Filipenses 3.13)
Gilberto Horacio

sábado, 14 de abril de 2012

Os senhores do Senhor.

Quando olhamos para os cristãos no mundo, olhamos para o resultado da Igreja fundada pelo Senhor Jesus Cristo, olhamos para o resultado do seu penoso trabalho. Jesus escolheu doze homens para serem seus discípulos, para que fossem os líderes da igreja. Posteriormente o Senhor Jesus enviou setenta homens com a missão de evangelizar o mundo. (Mateus 10; Lucas 10. 1)

Glórias a Deus, o poderoso Deus, transcendente, porém imanente, que conduziu a Igreja por todos os séculos até ao dia de hoje para que o evangelho continuasse vivo entre os homens. Tudo aquilo que Jesus ensinou há mais de dois milênios, hoje, é pregado, ensinado e vivido em todo o mundo. O cristianismo no século XVI é prova de que deu certo, de que a mensagem do evangelho é realmente poderosa e verdadeira. "Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela;" (Mateus 16 : 18)

Quem conduziu a mensagem até nós, não são os donos da mensagem. Quem conduziu o evangelho até nós não tem qualquer autoridade sobre ele. Quem recebeu a missão de propagar as boas novas é apenas um canal, uma parte, uma peça do grande “encanamento”, do grande aqueduto que conduziu a água da vida, do puro rio de Deus, de Jerusalém a todo o mundo.

Ainda há milhares de quilômetros dessa imensa rede de condução da água para ser construído em todo o mundo e para isto Deus precisa contar com novas peças, novos homens para cumprir a missão.

Cada Igreja a Terra se tornou uma subestação de distribuição do evangelho, de distribuição da água da vida que é Jesus. Entretanto, não somos donos da mensagem, somos apenas condutores dela. Não há donos da Igreja, nem apóstolo, missionário, bispo, pastor, presbítero, diácono, obreiro ou quem quer que seja que seja proprietário, por direito, dela, pois a ninguém pertence a mensagem, a não ser ao seu supremo fundador, que é o Senhor Jesus.

É possível e preciso presidir e deliberar sobre a igreja, mas jamais vendê-la, negociá-la, fali-la ou substituí-la. Não é possível inclusive defendê-la. Ela mesma é sua fiel defensora. É preciso entender que fazemos parte desta imensa rede de propagação e preservação do evangelho neste século. Somos os “utensílios” para que esta mensagem salvadora que muda a vida de um ser humano, sem qualquer interferência externa, chegue aos nossos descendentes, chegue até os confins da Terra. "Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra." (Atos 1 : 8)

Você e eu não pertencemos a senhores que conduzem à mensagem, assim como não detemos domínio sobre quem conduzimos à mensagem, mas somos apenas o resultado do trabalho de Jesus o Supremo fundador da Igreja, de Simão, chamado Pedro, de André, seu irmão; de Tiago, filho de Zebedeu, e de João, seu irmão; de Filipe, de Bartolomeu; de Tomé, de Mateus, o publicano; de Tiago, filho de Alfeu, e de Lebeu, apelidado Tadeu; de Simão o Zelote, incluindo Judas Iscariotes, aquele que traiu Jesus. Depois destes citaríamos Paulo, Lutero, João Calvino, eu, você e infinitos outros. Somos o resultado dos setenta homens enviados, de dois em dois por Jesus. Somos enfim, genuinamente representantes de Jesus Cristo. E para isto não há qualquer título, a não ser saber que NÓS SOMOS DO MEIO DOS CRISTÃOS! NÓS SOMOS CRISTÃOS.

"Porventura começamos outra vez a louvar-nos a nós mesmos? Ou necessitamos, como alguns, de cartas de recomendação para vós, ou de recomendação de vós?" Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens. Porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração. E é por Cristo que temos tal confiança em Deus; Não que sejamos capazes, por nós, de pensar alguma coisa, como de nós mesmos; mas a nossa capacidade vem de Deus, O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica. (II Coríntios 3.1-6)

Gilberto Horácio

quinta-feira, 29 de março de 2012

Jesus não precisa estar lá.

Um homem muito importante, oficial do exército romano, certa vez, procurou por Jesus na esperança de que seu filho fosse curado de uma enfermidade que o levaria à morte. Este homem viajou cerca de seis horas de sua casa até onde Jesus estava e lhe suplicou que fosse com ele. Jesus, porém não foi a casa deste homem, mas disse a ele que poderia voltar para seu filho, pois já estaria curado. Aquele homem voltou à sua casa e interrogando as pessoas que lá estavam, constatou que seu filho fora curado exatamente às sete horas, à mesma hora em que ele havia estado com Jesus. (João 4.46-54)

A fé deste homem ficou evidenciada e deve ser seguida por todos nós. Ele creu na palavra de Jesus. Quando alguém crê na palavra de Jesus, vê concretizada, diante dos olhos, aquilo que se acreditou por meio da fé, ainda que esta visualização não seja imediata e tampouco com os olhos físicos. Esta contemplação do milagre pode ser constatada seis horas depois ou mais, mas certamente será constatado o milagre, para aquele que crer. A palavra de Jesus não perdeu o efeito. Ela tem hoje, ao ser lida, na bíblica sagrada e praticada, o mesmo efeito, e o mesmo poder que teve no mesmo dia em que Jesus as disse. "Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão." (Marcos 13.31)

Quando cremos na fidedignidade da palavra de Jesus, alcançamos o milagre. E a partir daí passamos não mais a crer apenas nas palavras d’Ele, mas na Pessoa de Jesus. O diabo é mentiroso e o pai da mentira, suas palavras não merecem crédito. Quando ele diz que cura através de um médium ou quem quer que seja, na verdade está mentindo dizendo palavras de cura, quando não é cura. Suas palavras não são dignas de aceitação, porque NÃO serão cumpridas. "Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira." (João 8.44)

Veja que há médiuns curando pessoas, inclusive no Brasil, quando na verdade são demônios enganando com falsas curas. A mentira é muito óbvia: os demônios entram em corpos de pessoas determinadas, causam doenças e a atenção das vítimas para estas dores e males levando-as cativas aos médiuns. Diante dos médiuns, os demônios usam estes homens, falsos curandeiros, deixam de causar as pseudo enfermidades que eles mesmos introduziram nas vítimas. O resultado é uma sensação de impressionismo, espanto, reverência das pessoas envolvidas, e acabam todas presas e possessas por demônios.

A atribuição destas curas é feita aos médiuns, e cria-se uma forte dependência física do doente TER QUE IR até o médium para ser por ele operado, quando na verdade aquele que realmente tem o poder de curar todas as enfermidades é o Senhor Jesus Cristo, e como observado no texto da cura do filho do oficial romano ninguém precisa estar presente junto ao doente para que ele seja curado. Basta acreditar que a palavra de Jesus dita àquele oficial tem o mesmo poder, o mesmo efeito e a mesma validade hoje. Desta maneira passaremos a crer na pessoa de Jesus, que certamente não dará uma pedra a quem lhe pedir pão. Basta pedirmos a Jesus, com toda a fé, no mais profundo íntimo de nosso ser, e seremos atendidos. Ainda que o nosso foco de intercessão e socorro, esteja do outro lado do oceano, ou talvez a seis horas de onde estejamos agora. Lembre-se que Jesus disse: "E, TUDO o que pedirdes na oração, crendo, o recebereis." (Mateus 21.22); não esqueça do que está escrito em I João capítulo 3, versículo 8. “Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo."

Vejam este texto: “E, ao pôr do sol, todos os que tinham enfermos de várias doenças lhos traziam; e, pondo as mãos sobre cada um deles, os curava. E também de muitos saíam demônios, clamando e dizendo: Tu és o Cristo, o Filho de Deus. E ele, repreendendo-os, não os deixava falar, pois sabiam que ele era o Cristo.” (Lucas 4.41). Neste texto percebemos quantas e quantas pessoas estavam circulando e vivendo, mas na verdade estavam endemoninhadas. Ao se aproximarem de Jesus, os demônios as deixaram. Observe que os espíritos malignos têm intelecto e FALAM, e manipulam a quem dá lugar. Repare que eram pessoas doentes e na verdade endemoninhadas. Saíam os demônios, saiam também as doenças. Não quero afirmar que toda doença seja causa demoníaca, mas grande parte sim.

A psicografia de igual modo, é uma escrita feita por médiuns mas ditada por demônios, e atribuída pelos espíritas a espíritos desencarnados. Ora, a cegueira espiritual é tão grande nas pessoas enganadas pelos demônios, que elas acreditam que há espíritos desencarnados incorporados nos médiuns e não acreditam que são demônios, que de igual modo também são espíritos, sem corpos. Se a Bíblia, que tem crédito em toda a história da humanidade diz que depois da morte de uma pessoa, ela jamais voltará, mas segue-se apenas o juízo de Deus; quem poderia estar encarnado em um médium? Obviamente que são demônios se passando por pessoas que já estão MORTAS. "Aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo," (Hebreus 9.27)

Não se deixe ser usado por demônios. Não acredite em suas palavras. Nós devemos acreditar UNICAMENTE nas palavras de Jesus. Ele sim tem todo o poder no céu e na terra para realizar sinais e prodígios, curas e milagres e ainda muito mais que isso, tem o poder de morar dentro de nós. Após a morte de nosso corpo, não permitirá que nossa alma seja conduzida por estes seres invisíveis do mal, chamados demônios, mas Ele, Jesus, nos levará para o céu, hoje invisível ainda, mas bem visível para aquele que crê.

Gilberto Horácio

domingo, 11 de março de 2012

O poder está no nome.

"Quem comete o pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo." (I João 3. 8)

Demônios são anjos, espíritos maus que não possuem corpos, mas que entram em corpos humanos, ou até mesmo de outros animais, conforme registrado em Mateus capítulo 8 versículos 28 ao 34, causando loucura, enfermidades do sistema nervoso, descontrole da razão e das emoções e ainda doenças diversas no corpo e na alma. É possível que em uma mesma pessoa exista muitos demônios. Eles estão por aí, de pessoa em pessoa destruindo, causando sofrimento e opressão.

Ninguém está livre de sofrer investidas dos demônios, que a todo o tempo tenta nos matar, roubar e destruir, mas graças a Deus que Jesus veio nos dar vida, e vida em abundância (João 10.10). O maligno tenta se apoderar de nosso corpo, nossa boca, nossa mente, para trazer destruição e maldade. E quando estamos livres de qualquer possessão ou opressão ainda seremos atacadas por pessoas que estão possessas. "Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar;" (I Pedro 5.8)

Jesus nos deu autoridade sobre os demônios, para que no poder do seu nome, os demônios saiam em retirada. Ele nos ensinou que estas castas são expulsas, com jejum e oração. Esta é a receita: jejum e oração de autoridade, no nome de Jesus, em voz alta, declarando ao mundo invisível e espiritual que está sendo emitida uma ordem para que se cumpra pelo poder do nome de Jesus Cristo. “Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai” (Mateus 10.8)

A Bíblia mostra Jesus expulsando muitos demônios pois ao nome de Jesus foi dado todo o poder: "E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra." (Mateus 28 : 18)

Devemos estar atentos para o entendimento de que estamos em uma verdadeira guerra espiritual, uma verdadeira luta pela vida e pela paz e somente com a vida consagrada e protegida com o escudo da fé, e com a proteção do poder do nome de Jesus, conseguiremos vencer o mal.

A oração, o jejum e nome de Jesus nos farão resistir ao diabo, aos demônios. "Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós." (Tiago 4. 7)

Se você se sente oprimido, cansado, descontrolado, doente, ou sendo atormentado por inúmeras situações e pessoas, saiba que você deve buscar ajuda na Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada, deve buscar a Deus fortemente em oração, deve jejuar, deve se sujeitar a Deus, resistir ao diabo e expulsá-lo com autoridade do nome de Jesus. Não somos nós a fazer isso, mas o poder no nome de Jesus Cristo de Nazaré.

Que esta autoridade seja exercida em nossas vidas diariamente e enquanto vivermos. Fiquemos com o benefício deste poder extraordinário nos outorgado sem jamais nos esquecermos do que Jesus falou em Lucas capítulo 10, versículos 17 ao 20:

E voltaram os setenta com alegria, dizendo: Senhor, pelo teu nome, até os demônios se nos sujeitam.

E disse-lhes: Eu via Satanás, como raio, cair do céu.

Eis que vos dou poder para pisar serpentes e escorpiões, e toda a força do inimigo, e nada vos fará dano algum.”

"Se pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei." (João 14.14)

Gilberto Horácio

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Enxergue além das trevas.


Se olharmos, pela fé, firmemente para Jesus Cristo, estaremos sempre seguros. Esta afirmação pode ser confirmada em Hebreus capítulo 12, versículo 2 que diz assim: "OLHANDO FIRMEMENTE PARA JESUS, AUTOR E CONSUMADOR DA NOSSA FÉ, O QUAL PELA ALEGRIA QUE LHE ESTAVA PROPOSTA, SUPORTOU A CRUZ, DESPREZANDO A DESONRA, E ESTÁ ASSENTADO À DIREITA DO TRONO DE DEUS"
Estima-se que há mais de 40 milhões de cegos no mundo. Mas, quantos cegos espirituais? Se no mundo físico há milhões que sofrem de cegueira física, no mundo espiritual esse número é bem maior.

Bartimeu é um exemplo de uma cegueira física, mas não espiritual. Bartimeu era um mendigo cego, o qual o Senhor Jesus curou. Ele não via a Jesus fisicamente, mas, pela fé, sabia, “via” Nele a possibilidade de cura e transformação de sua realidade. Precisamos crer e ver da mesma maneira - “Jesus, filho de Davi, tem misericórdia de mim!” - para sermos curados, da cegueira, da frieza, da falta de crer no impossível de Deus. “O que queres que eu te faça?” – Jesus lhe perguntou. “Mestre, que eu torne a ver.” – respondeu-lhe Bartimeu. Marcos capítulo 10.

O problema da cegueira espiritual somente nós mesmos podemos resolver, através da fé em Jesus, e de uma atitude de transformação pessoal. Jesus ensinou como resolver este problema de forma muito clara. Ele disse: “E por que atentas tu no cisco que está no olho de teu irmão, e não reparas na trave que está no teu próprio olho?" Ou como podes dizer a teu irmão: Irmão, deixa-me tirar o cisco que está no teu olho, não atentando tu mesmo na trave que está no teu olho? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás bem para tirar o cisco que está no olho de teu irmão.” (Lucas 6 : 41,42)

Elias, o profeta de Deus, depois de um grande período de seca, profetizou e viu abundante chuva subindo do mar, ao horizonte, quando ninguém conseguia ainda visualizar qualquer nuvem que trouxesse sinal de chuva. I Reis 18.41,43.5. Assim deve ser o homem e a mulher de Deus: alguém que consegue visualizar as conquistas e as possibilidades antes das outras pessoas. Uma pessoa de fé, sempre antecipa o milagre, pois consegue visualizar, pela fé, aquilo que almeja alcançar.

Há nos Estados Unidos, uma espécie de peixe, que por ter seu habitat em águas muito profundas, de trevas absolutas, não desenvolveram os olhos. Eles não possuem olhos. Meu irmão, as trevas fazem isso com os nossos olhos, os cegam totalmente. Não permita que isso aconteça com você.

Se deixarmos de enxergar, com olhos espirituais, não veremos mais as possibilidades de alcançarmos nossos alvos, deixaremos de ver Deus erguer os caídos, deixaremos de ver tudo aquilo que o Senhor Jesus reservou para nós. Aquilo que nenhum olho viu, ou qualquer ouvido já ouviu, é o que Deus reservou para aqueles que o amam.

Tomé, um dos discípulos de Jesus, precisou ver Jesus fisicamente para crer que Ele havia ressuscitado, mas nós somos muito mais felizes do que Tomé, visto que nós cremos em Jesus, cremos que Ele vive, exatamente hoje e que está conosco, e não precisamos vê-lo fisicamente para crermos. O próprio Senhor Jesus disse que aqueles que crerem, pelos olhos espirituais, e não apenas pelos olhos físicos seriam mais que felizes.
"Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram." (João 20 : 29)

Deus quer abrir nossos olhos espirituais, a cada dia, para vermos sua doce presença, para que possamos ver, a sua glória e o seu socorro constante.

Cercado pelos inimigos, o servo do profeta Eliseu, se desesperou ao ver o exército opositor se aproximar deles, mas Elizeu orou a Deus para que permitisse que seu servo visse o que ele conseguia visualizar, pela fé: "E orou Eliseu, e disse: SENHOR, peço-te que lhe abras os olhos, para que veja. E o SENHOR abriu os olhos do moço, e viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor de Eliseu." (II Reis 6 : 17)

O servo de Eliseu somente conseguia enxergar os inimigos, enquanto que Eliseu enxergava sobrenaturalmente, milhares de seres espirituais ao seu redor em seu favor, para vencer a batalha.

Quantas vezes nos sentimos cercados de inimigos e sem força alguma. Nessas horas devemos olhar para Jesus, nosso Senhor. Ele nos fará enxergar o escape e quantos estão em nosso favor. Muitos se desesperam, muitos ficam cegos e passam a viver em densas trevas. Mas glórias a Deus, que permite que sejamos pessoas cheia de fé para dizer e orar, assim como Eliseu: - “Senhor, abra os olhos de todos os que estão comigo para que vejam quantos exércitos de anjos do Senhor estão ao meu redor para me garantir a vitória.”

Querido irmão e querida irmã, em que direção está seu olhar e como estão seus olhos espirituais?

“SENHOR, peço-te que lhe abras os olhos.”

Gilberto Horácio

sábado, 4 de fevereiro de 2012

O terror dos ídolos



É comum noticiarem sobre imagens de escultura - aquelas chamadas pelos devotos de “imagens de santos”, serem roubadas de igrejas, queimadas por incêndios, destruídas em desmoronamentos ou até mesmo deterioradas pelo tempo.

No dicionário Aurélio a palavra ídolo significa: “Estátua ou simples objeto cultuado como deus ou deusa”. Na verdade, o ídolo é aquilo que, embora aparentemente forte, pode ser destruído ou derrotado com facilidade.

A idolatria é conhecida há milênios e é definida como o culto prestado a ídolos. É o principal conflito dentro do cristianismo, entre os seus dois principais ramos: o catolicismo e o protestantismo.

O profeta Jeremias sentiu esta dor ao ver um povo idólatra em seu tempo, um povo que deixou a sabedoria e o entendimento e passou a adorar ídolos, que não passam de obra das mãos de homens. Segundo o que escreveu o profeta, há um contraste muito grande entre o Senhor dos Exércitos, o Criador dos céus e da terra e os ídolos. Isso se encontra registrado em Jeremias no capítulo 10.

Jeremias escreve: “…os homens passaram a cortar no bosque uma madeira, com machado; enfeitam esta madeira com prata e ouro, usam pregos e martelos para fixação, para que não caia; e o resultado é um ídolo, que se parece com um espantalho em uma plantação. Este pedaço de madeira enfeitado não pode falar, necessita de quem o carregue de um lugar para o outro, pois não pode andar. Jeremias ainda enfatiza que não se deve ter medo deles, pois não podem fazer mal a ninguém e obviamente também não podem fazer o bem, pois neles não há vida, não há o fôlego da vida, e desta forma não passam de uma grande mentira e uma enganação” (e quantas pessoas com medo de imagens deixadas nas encruzilhadas… e quantas pessoas orando para que recebam algum bem de um guerreiro sentado em um cavalo).

Já o Senhor Deus, Criador dos céus e da terra, não possui uma imagem física, apenas uma imagem de caráter e amor, visto que Ele é Espírito.

Jeremias, inspirado por esse Espírito Santo, mostra este grande contraste em lembrar que o Senhor fez a terra pelo seu próprio poder, estabeleceu tudo por sua sabedoria, e com sua inteligência fez os céus. Ele demonstra o poder extraordinário de Deus, citando elementos da natureza, para tentar fortalecer a compreensão do inigualável poder de Deus: “Deus é quem controla os trovões, Ele é quem cria os relâmpagos (e como somos vulneráveis diante de relâmpagos, quando estamos em um lugar ermo), e os ventos surgem de um depósito controlado pelas mãos do Senhor” (e como somos semelhantes a uma formiga, diante de uma grande tempestade de ventos).

Jeremias chega a uma única conclusão: Não há ninguém semelhante ao Senhor Deus. Ele é grande em poder, e Rei das nações. E entre todos os sábios não há ninguém semelhante a Deus, afinal ele está Vivo e rege o universo. Como comparar uma criatura com seu Criador?

Foi em virtude de um relâmpago, em uma tempestade, que Martinho Lutero prometeu a Deus que, se fosse livre da morte naquela tempestade em que estava, desprotegido em um bosque, ele entregaria sua vida para sempre para servir a Deus como servo. Foi exatamente o que aconteceu (Deus está vivo e aí sim pode fazer bem a alguém); foi exatamente o que Lutero fez. Deus o usou para transformar a história do cristianismo idólatra do décimo sexto século para até os dias de hoje, libertando-nos através do despertar da razão e da inteligência que Deus está vivo, e somente a Ele devemos adorar e jamais a um pedaço de madeira sem vida. É somente pela fé, uma fé racional e inteligente.

Que Deus use muitos relâmpagos, trovões, ventos, Jeremias, Martinhos, eu e você para o despertamento da adoração, para adorarmos com sabedoria, inteligência e amor a um Deus que é inigualável e Dono de tudo o que existe, Dono da vida de cada um de nós.

Gilberto Horacio

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Guarde sua mente e seu coração.

Ben Carson, um dos maiores cirurgiões dos Estados Unidos e também escritor de dois livros de sucesso; responsável por cirurgias muito difíceis como separar pessoas com cérebros unidos, foi no passado um homem foi muito pobre. Carson superou todas as dificuldades para ter uma trajetória vitoriosa. Ele foi coletor de lixo e mesmo com poucas oportunidades e muitos obstáculos, fazia seu ofício sempre da melhor maneira que podia, sendo tarefas nobres ou não.

Todo o tempo livre Ben Carson dedicava aos estudos sempre com uma meta e um objetivo em mente. Segundo Carson, ele possui tudo o que a maioria das pessoas julga ser importante, como uma casa bem luxuosa, alguns carros e uma vida confortável mas, se alguém levasse tudo isto dele, não se importaria nem um pouco, pois conseguiria tudo novamente, com o que está dentro de sua cabeça, se referindo a toda sua capacitação e sua bagagem de conhecimento.

Este exemplo de Bem Carson poderia ser discorrido como qualquer sermão motivacional, de auto-ajuda. Ele se referiu a tudo o que o seu conhecimento lhe trouxe nos aspecto material, profissional e financeiro. Entretanto, a convicção de que o que trazemos dentro da mente é o fator fundamental para ter certeza do que realmente somos e possuímos é a verdadeira essência deste ensino.

A Palavra de Deus nos ensina em Provérbios capítulo 4, versículo 23 que sobre tudo o que se deve guardar, devemos guardar o nosso coração, porque dele procedem as fontes da vida.

A vida moderna nos ensina a possuir, saber, conhecer e dominar, neste desenfreado mundo de competição; quando tudo possuímos, vivemos por proteger nossos bens. Muitos esquecem, infelizmente, de protegerem a mente, de guardar a mente, de guardar o coração: das emoções, das doenças psicossomáticas que tão perto rodeiam nossa alma dia após dia. Nossa mente e nosso coração devem ser guardados a todo o preço e a todo o tempo. Precisamos estar atentos e ter nossa mente e nosso coração como verdadeiros tesouros. Jesus disse que onde estiver o nosso tesouro, ali estará também o nosso coração. (Lucas 12 : 34)

Quando a mente está bem, tudo vai bem, todo o vento pode soprar, toda a dor pode sofrer, todo o mar pode se agitar, porque sempre existirá a fé e o amor protegidos para recomeçar. O conhecimento são garantias, mas já deixaram muitos doentes no caminho. A mente e o coração guardados fizeram aqueles que os preservaram chegarem ao fim, em paz.

Gilberto Horacio

domingo, 8 de janeiro de 2012

O SENHOR É PAZ

O Senhor é paz. Estas palavras foram ditas um dia por um Israelita chamado Gideão. Diante de tamanha opressão que seu povo sofria de povos inimigos ao redor, especialmente os Midianitas, Gideão e seu povo chamavam por socorro a Deus. (Juízes 6)

O Senhor Deus os socorreu e capacitou exatamente o próprio Gideão para ir à guerra contra todos os inimigos e os derrotar. Diante de tal ordem Gideão, no seu íntimo sentiu a própria paz.

Como entender que o Senhor é paz quando nos impele à guerra para derrotarmos nossos inimigos?

A paz é um estado de tranqüilidade, de calma absoluta em meio a um ambiente sem perturbações ou agitação. É um estado de espírito pleno sem qualquer sentimento destrutivo.

Ter paz não significa ter uma vida sem lutas ou obstáculos a ultrapassar. Ter paz não significa não ter inimigos (ainda que sem causa se levantem contra nós). Na verdade, ter paz significa ter o SENHOR QUE É A PAZ.

Gideão ergueu um altar e disse que se chamaria O SENHOR É PAZ. Ele o fez porque quando sentiu a presença de Deus perto dele, lhe dando força, coragem, e garantias de vitória, ele sentiu a mais perfeita e plena PAZ dentro de seu coração, em sua alma, portanto concluiu: ESTE É A PAZ, O SENHOR É A PAZ.

Entendo esta palavra como profética sinalizando e apontando para o Senhor Jesus Cristo, o qual disse em João 14 versículo 27: "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize."

Isso confirma que ter paz é ter a presença do Senhor Jesus, o próprio Filho de Deus junto a nós, nos garantindo a vitória, nos dando coragem, força, ânimo e proteção.

Pode-se ter uma “guerra”, lutas e muitas tormentas de forma bem iminente, mas poderemos sentir e ter completa paz, ao perceber, no dia a dia, a presença do Senhor em nossas vidas. Digo com convicção: – Fantástico! O SENHOR É PAZ.

“O SENHOR é a minha luz e a minha salvação; a quem temerei? O SENHOR é a força da minha vida; de quem me recearei? Quando os malvados, meus adversários e meus inimigos, se chegaram contra mim, para comerem as minhas carnes, tropeçaram e caíram. Ainda que um exército me cercasse, o meu coração não temeria; ainda que a guerra se levantasse contra mim, nisto confiaria.” Salmo 27: 1-3

Shalom

Gilberto Horacio