SOU EVANGÉLICO, SOU FELIZ, UMA ANÁLISE DAS PRINCIPAIS QUESTÕES DA VIDA EVANGÉLICA

Por apenas: R$ 19,99 com FRETE GRÁTIS PARA TODO O BRASIL

UM LIVRO PARA ABENÇOAR A SUA VIDA.

Veja alguns capítulos que você vai encontrar neste livro.
– Ser evangélico
- Posso ser evangélico sem frequentar a igreja?
– Qual é a roupa de um evangélico?
– Como se comportar no culto evangélico
– O perigo dos cargos
– Como entender os desentendimentos dentro da igreja?
– Seu relacionamento com os demais membros
– Quanto, em dinheiro, entregarei na igreja?
– Quando o sofrimento bate à porta de um evangélico
– Entendendo por que nem todos são curados
– Evangélicos divorciados
– Ouvindo músicas não evangélicas
– Bebida alcoólica no copo de um crente?
– Nem todos falam línguas estranhas?!
– Evangélicos certos de vidas erradas
– Igreja pequena ou igreja grande?
– Excluindo membros - um mal necessário?
– Amigos e relacionamentos apenas com evangélicos?
– O que nos une é maior do que o que nos separa
– O evangélico e a morte – O que importa é ser salvo, ser você e ser feliz dentre outros capítulos.
Comprando este livro você estará abençoando e sendo abençoado. Há algo especial de Deus nele para você.
Um livro que fala de fé e de esperança.

Peça já o seu exemplar!

À VENDA NOS SEGUINTES LOCAIS:


* LIVRARIA DA IGREJA DE NOVA VIDA DE DUQUE DE CAXIAS.
Av. Presidente Tancredo Neves, 687 – Vila Itamaraty(Itatiaia) – D. de Caxias Tel./fax: (21) 3658-3200 E-mail: igreja@novavidacaxias.com.br


* Livrarias Celebrai do Shopping Center de Caxias. Rua Mariano Sendra dos Santos, SN - Duque de Caxias - RJ Quadra 4 - Loja 10 | Cel.: (21) 9346-7347 - Tel.:(21) 2671-6073

* LIVRARIA ITATIAIA NO UNIGRANRIO SHOPPING CAXIAS.
Rua Prof. José de Souza Herdy 1216. 25 de Agosto - Duque de Caxias. Tel. (21) 2671-2808


* EDITORA CONSELHO. Av. Eunice Gondin, 160, sala 206, Recreio dos Bandeirantes, RJ Tel. 3326-3844


COMPRE AGORA E RECEBA O LIVRO EM SUA CASA COM A SEGURANÇA DO pagseguro

Por apenas: R$ 19,99

Frete GRÁTIS para todo o Brasil

Através do pagSeguro você compra parcelado através dos principais cartões de crédito.
Compre também por telefone:(21) 99697-4191 e peça seu exemplar. Você vai recebê-lo na comodidade da sua casa, com total segurança e a credibilidade dos correios. Você pode comprar também por depósito bancário: Deposite o valor de R$ 19,99 na seguinte conta: Banco Santander: Agência: 4618 Conta Corrente: 01001027-8 Envie-nos e-mail constando a a data e a hora o depósito, seguido de seu endereço completo, com CEP e telefone para contato.

Você receberá em sua casa o livro SOU EVANGÉLICO, SOU FELIZ. Uma análise das principais questões da vida evangélica.

Você vai entender muito do que acorre dentro de uma igreja evangélica no Brasil. Vai ter a fé despertada, o amor a Cristo, à igreja e a você mesmo racionalizados e fortalecidos de forma simples mas, direta.

Não perca mais tempo! Investir em conhecimento é investir em você. Peça agora e seja muito abençoado pelo que vai ler e aprender.
UM LIVRO QUE TRATA DE FORMA PRÁTICA QUESTÕES VIVIDAS DENTRO DA IGREJA EVANGÉLICA.

domingo, 25 de abril de 2010

Qual é o seu dia de descanso?


Olá amigos! Gostaria de compartilhar com vocês algo que veio à minha mente no dia de ontem. Analisando o pôr do sol, eu pensava: “é! o shabat dos judeus terminou agora"! Ainda quando criança freqüentei durante alguns anos a Igreja Adventista do Sétimo Dia, que assim como os judeus mantêm em sua doutrina o sábado para o descanso semanal. Hoje, como cristão evangélico guardo o domingo como o dia de descanso. Para quem não sabe, o descanso dos muçulmanos é na sexta-feira. O interessante disso tudo é que estas questões são motivos de muito intolerância religiosa em todo o mundo, mas por trás disso está algo lindo e inexplicável que é o amor do ser humano a seu Deus, criador. O Deus dos cristãos é exatamente o mesmo Deus dos judeus, que é exatamente o mesmo Deus dos muçulmanos: Ele é o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, que é Único, e por ser Único Ele é chamado apenas de Deus. Os muçulmanos o chamam de Alá, em árabe, mas se referindo ao Deus de Abraão.

Os cristãos passaram a adotar o domingo como descanso pelo fato de Jesus ter ressuscitado no primeiro dia da semana, ao terceiro dia após sua morte ocorrida na sexta-feira. Os judeus ainda guardam o sábado seguindo a lei de Moisés para os israelitas e os muçulmanos adotaram a sexta-feira, acredita-se, pelo fato de fazer uma diferenciação entre os judeus e cristãos, pois no Corão, o livro sagrado para os muçulmanos não faz qualquer referência ao repouso. Falando no Corão, ele é o livro principal dos muçulmanos, embora eles também aceitem a Torá, a bíblia dos judeus como válida e sagrada. O Corão foi, segundo a crença muçulmana, inspirado por Deus e revelado a Maomé que é o profeta que teria recebido esta inspiração por meio do Anjo Gabriel. Eles se acham superiores aos cristãos e judeus, pois esta revelação teria ocorrido por volta do ano 570 ao ano 630 depois de Cristo que a faria mais recente e uma espécie de reformulação da fé e da crença definitiva no Deus de Abraão.

Mas a grande diferença da crença de judeus, cristãos e muçulmanos está ligada exatamente na pessoa de Jesus. Jesus é aquele que é o Único filho de Deus, que foi oferecido como sacrifício para perdão de nossos pecados que nos levariam a uma morte eterna, mas por intermédio de seu sangue derramado na cruz passamos a ter o direito a uma vida eterna, se assim crermos e invocarmos esse direito, deste sacrifício sobre nós.
Para os muçulmanos e judeus Jesus foi apenas mais um profeta, assim como Maomé. Acreditam que nasceu de Maria sendo concebido pelo Espírito Santo, mas não o aceitam como salvador. Os judeus esperam um Messias e não aceitam Jesus como o Messias prometido que haveria de vir.O Corão menciona inclusive, que Jesus não ressuscitou mas afirma que Ele subiu aos céus.

Impressiona-me o fato de todos cremos no MESMO Deus, embora grande parte destes não terem entendido e aceito o tão grande amor de Deus, entregando seu filho ao mundo para que todo aquele que NELE CRER não venha a perecer mas possa viver eternamente. (João 3v16);
O sacrifico de Jesus foi em vão já que muitos dos que crêem no mesmo Deus não O aceitam? Jamais. O sacrifício de Jesus foi único, definitivo e eterno. Mas muitos estiveram frente a frente, olho no olho com Jesus e não enxergaram que se tratava do próprio filho de Deus encarnado, imagina 2000 anos depois, sem a presença física de Jesus, ainda que sua presença seja viva e real em sua igreja na terra. Muitos realmente não crerão, mas a todos os que Nele crerem receberão o perdão de seus pecados. Pois, sabemos que assim como os judeus, os muçulmanos também conhecem a Jesus e o que Ele fez, entretanto, não percebem quão grande foi o ser amor e ainda permanecem sob a herança do pecado e sob uma iminente condenação. "Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado" Marcos 16v16.

Seja o dia de descanso aquele que você pode entregar a Deus. Que não sejam estas e outras doutrinas e mandamentos aquilo que gere morte, guerras religiosas e intolerância. Mas que em tudo que vivamos nesta vida seja para reconhecer e retribuir o grande amor de Deus que foi manifestado em Jesus Cristo que nos salvou da condenação da morte eterna por sua entrega na cruz, em Jerusalém.

Já está se aproximando mais um por do Sol, graças a Deus que o verei novamente, o mesmo sol que viu Abraão. Se ele é o mesmo, quem o criou mudaria? Vou lá!!!! Paz.

Gilberto Horácio

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Seja, pela vida, seja pela morte, somos de Jesus.


Recebi um e-mail descrevendo a notícia de um acidente de trânsito onde dois pastores morreram após o veículo em que estavam ser esmagado por uma carreta. Chequei o caso e vi que era verídico. Os pastores eram da Assembléia de Deus e seguiam para uma convenção. Testemunhas contaram que os pastores Nelson Palmeiras e João Valadão, ainda com vida e presos nas ferragens, em meio a um mar de sangue que os envolvia, começaram a cantar o Hino 187 da harpa cristã:

Mais perto
Quero estar meu Deus de ti!
Ainda que seja a dor
Que me una a ti,
Sempre hei de suplicar
Mais perto
Quero estar meu Deus de ti!

Andando triste
Aqui na solidão
Paz e descanso
A mim teus braços dão
Nas trevas vou sonhar
Mais perto
Quero estar meu Deus de ti!

Minh’alma cantará a ti Senhor!
E em Betel alçará padrão de Amor,
Eu sempre hei de rogar
Mais perto
Quero estar meu Deus de ti!

E quando Cristo,
Enfim, me vier chamar,
Nos céus, com serafins irei Morar
Então me alegrarei
Perto de ti, meu Rei, meu Rei,
Meu Deus de ti!

Aos poucos suas vozes foram silenciando-se, nesta terra, para sempre.

As lagrimas tomaram conta dos bombeiros, acostumados a resgatar pessoas em acidentes graves, porem jamais viram alguém morrer cantando um hino; como foi o caso dos pastores Nelson Palmeiras e João Valadão.

Lembrei-me da morte de Estevão, que foi apedrejado por amar e pregar o evangelho da verdade. Na hora de sua morte ele estava com os olhos fitos no céu, e viu a Jesus, que estava à direita de Deus.

“Mas ele, estando cheio do Espírito Santo, fixando os olhos no céu, viu a glória de Deus, e Jesus, que estava à direita de Deus;

disse: Eis que vejo os céus abertos, e o Filho do homem, que está em pé à mão direita de Deus.

Mas eles gritaram com grande voz, taparam os seus ouvidos, e arremeteram unânimes contra ele.

E, expulsando-o da cidade, o apedrejavam. E as testemunhas depuseram as suas capas aos pés de um jovem chamado Saulo.

E apedrejaram a Estêvão que em invocação dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito.

E, pondo-se de joelhos, clamou com grande voz: Senhor, não lhes imputes este pecado. E, tendo dito isto, adormeceu.” Atos 7:55-60.

A realidade é que não conhecemos nada do que há após o momento em que morrermos. Conhecemos apenas aquilo que o Senhor Deus quis revelar a nós, em sua palavra. Entretanto, aqueles que já partiram, já conhecem o que há além desta vida terrena e passageira, esta vida que passa como um conto ligeiro. Acredito que estes pastores, viram ao Senhor Jesus que estava com eles em todo o tempo, cumprindo sua promessa de estar conosco todos os dias, até a consumação de todos os séculos.

A presença de Jesus é algo indescritível. Falta-me palavras para descrever sobre o grande amor de Jesus, de sua gloria e do manifestar de sua presença em todas as circunstâncias da vida. Onde estava Jesus na hora do acidente? Exatamente com eles. Por que não impediu? Porque o que Jesus foi preparar para nós e para os respectivos pastores ali feridos, não dá para se comparar com a vida neste mundo, e este mundo jamais se comparará com a glória que em nós há de ser revelada na eternidade.

São exatamente as palavras que Jesus falou a um dos ladrões que com ele estava sendo crucificado: “Hoje, mesmo estarás comigo no paraíso”. Sempre há um propósito quando somos atingidos pelas circunstâncias da vida. Inclusive, para que o nome de Deus fosse glorificado por estas mortes, e para que através deste fato, a fé desses homens fale por eles muito mais do que em vida teriam esta oportunidade. Para que todos tentem compreender a largura, o comprimento e a altura do amor de Deus e que seja pela vida, seja pela morte, somos e sempre seremos propriedade do Senhor. E se Dele somos, estamos EM SUAS MÃOS. Os pastores cantarão para sempre em um grande coral, ao lado de Jesus, aquele que foi preparar morada. E suas vozes não se calarão na eternidade, louvando aquele que vive para todo o sempre, Jesus.

Um dia, como eles, e como diz a letra do hino, nos alegraremos perto de Jesus, nosso Rei. Quando será o momento ninguém sabe, mas de algo sabemos, temos uma pátria celestial e com serafins iremos morar, mas quando chegar lá, primeiro eu quero ver Jesus.

Gilberto Horácio

terça-feira, 13 de abril de 2010

Ao partir do mundo, deixe-o melhor de que quando você nele entrou.



Com base em uma famosa frase do poeta e filósofo cubano José Martí, construo um raciocínio. Segundo o poeta, há três coisas que cada pessoa deveria fazer durante a sua vida: plantar uma árvore, ter um filho ou escrever um livro.

A idéia por trás desta frase não é nova, mas muito significativa: ao partirmos deste mundo temos que o ter deixado melhor do que quando nele entramos. Entretanto, percebo que José Martí define três elementos físicos que possivelmente perdurarão após nossa morte: árvore, filho e livro. Mas, e se os filhos morrerem antes de partirmos? E se a árvore for cortada? E se o livro for extinto seu último exemplar?

Tenho entendido que o valor deixado por nós como legado para futuras gerações não é apenas tangível; mas o intangível também é igualmente importante assim como qualquer elemento físico. Trata-se de influenciar positivamente as pessoas que passarem em minha vida, com ideais, bons exemplos e propagação de virtudes aprendidas e desenvolvidas ao longo da vida. Um ideal, não pode ficar em palavras, mas deve ser materializado em ações, para que cause um impacto de influência real. Um exemplo: alguém que não tenha tido um filho, nunca tenha escrito um livro e também não tenha plantado uma árvore pode marcar muitas gerações, igualmente a alguém que tudo isso deixou por aqui. Imagine alguém que esteja à frente da fundação de uma igreja, uma creche ou um centro de esportes. Ainda depois de sua morte o fruto de seu trabalho pode permanecer por séculos. Seus ideais plantados e impressos nas pessoas podem trazer grandes mudanças ao mundo.

O poder do evangelho é exatamente esse. É uma ferramenta sem igual para transformar pessoas e, a transformação de indivíduos em pessoas melhores dia após dia é a herança mais fantástica que podemos deixar no mundo, após partirmos.
Grandes imperadores, reis, faraós, povos e anônimos já passaram por este solo, e este é nosso momento de estarmos por aqui para vivermos e marcarmos nossa geração, contribuindo para o aperfeiçoamento dos homens.

A ciência é uma constante evolução onde sempre se observa se melhora algo descoberto e estudado anteriormente. Alguém observou, estudou e passou o conhecimento à frente, conhecimento este que ainda fala em seus nomes até hoje. Imagine contribuir com a mudança de alguém e essa pessoa se tornar alguém que faça grandes transformações na sociedade muitos anos depois? Esse é o poder da influência positiva e também do evangelho.

O cristianismo deve ser difundido, assim como a prática do bem, as boas idéias, os bons hábitos, as crenças, as atitudes de não conformismo e transformação, para que ao sairmos do mundo, possamos deixá-lo muito melhor do que quando entramos nele, e sobretudo o amor deve ser PRATICADO, pois ele é o vínculo da perfeição e a razão e o sentido da vida.

Gilberto Horacio

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Uma manhã na emergência do Hospital Dr, Moacyr do Carmo

Ontem vivi uma experiência daquelas que nos surpreendem, daquelas que nos tiram do cotidiano e nos levam frente a frente com a realidade da vida.

Ainda dormia, em torno de 6h da manhã quando ouvi gritos de socorro vindos da rua em frente à minha casa. Ao dirigir-me ao portão, ainda sonolento e confuso, me deparei com uma cena de um acidente. Uma vizinha ao tentar sair com seu carro de sua garagem descuidou-se do freio de mão e foi atropelada pelo próprio carro na ladeira ficando presa debaixo do carro e contra a base de sustentação da rampa. Ao retirar o carro com a ajuda de várias pessoas eu a levei ao Hospital Dr. Moacyr do Carmo em meu carro, dando entrada na emergência às 6h30min da manhã. O primeiro a nos atender foi médico Nelson Maia Fernandes que não se levantou da cadeira, não preencheu qualquer ficha da paciente, que gritava de dor na coluna e foi jogada em uma cadeira. Ele me fez levá-la empurrando a cadeira até a ortopedia, mas lá não havia ninguém. Consegui a ajuda de um maqueiro no corredor para levar a moça ferida, com suspeita de lesões na coluna, costelas e fraturas nas pernas para o setor de RX, mas lá não havia ninguém. Apenas uma mulher que não sei qual sua função e através de muita insistência de minha parte fez uma ultra-sonografia na paciente. Eu ouvi desta voluntária “nem sei ligar esta máquina direito, mas vou ajudar vocês”. Ela recomendou que a paciente não voltasse para a cadeira, mas que deveria obrigatoriamente ser removida em uma maca. Neste momento fui procurar o sr Nelson Maia Fernandes novamente para solicitar uma maca, e o ouvi dizer as seguintes palavras: “maca aqui é artigo de luxo, vê se você consegue uma aí”. Ainda neste momento a paciente não havia recebido, sequer uma medicação para a dor. Fui pelos corredores e depois de uns 30 minutos um senhor sensibilizado conseguiu emprestada uma maca no setor de cirurgia. Após 2h conseguimos um RX e vimos que a coluna não havia sido fraturada, como se pensava, e ouvi o senhor médico Nelson Maia Fernandes ironizar com um colega “veja que o rapaz disse que ela era um caso grave ao chegar”. Neste momento tive que dizer ao senhor Nelson que se eu tivesse feito medicina como ele provavelmente deve ter feito eu teria a capacidade de identificar um caso grave”. Após isso ainda empurrei a maca de minha vizinha corredor à fora por mais uma hora e meia de sala em sala, brigando, argumentando e insistindo até que ela recebesse as medicações e conseguisse ser transferida para um hospital que a pudesse socorrer de fato, visto queixar-se de muitas dores na região da coluna e na cabeça.

Confesso que saí daquele lugar com um profundo sentimento de dever cumprido, mas também com uma profunda frustração com a classe médica de plantão naquele dia, com uma profunda frustração com aquele hospital, com uma profunda frustração com o poder público, que trata a população com tamanho descaso que nos chocam e nos impressionam.

Vi várias pessoas nos corredores, pessoas sendo tratadas como, me perdoem dizer, animais, com pouco interesse em realmente preservar a integridade e até a vida daqueles pacientes socorridos ali.

O detalhe é que, para quem não conhece o hospital Dr. Moacyr do Carmo, ele fica às margens da Rodovia Washington Luiz, em frente ao Caxias Shopping e tem menos de dois anos de funcionamento. Foi amplamente explorado na campanha eleitoral do ex prefeito de Duque de Caxias, Washington Reis.

Vi que o Hospital Dr. Moacyr do Carmo, que custou milhões de reais a nós trabalhadores, é na verdade, apenas mais um prédio, é na verdade, mais um templo da política brasileira, dos interesses de uma minoria que se apodera temporariamente do poder para obter benefícios próprios e pessoais.

Vi que a vida está nas mãos de Deus, e que a confiança e a segurança nos braços dos homens pode ser frustrante e em vão.

Quantas “vizinhas” chegam diariamente naquele lugar! Quantas morrem naquele lugar! O descaso será pelo motivo de ricos não freqüentarem hospitais públicos? Ou será que a vida humana vale cada vez menos?

Como investir bilhões em esporte, se a população não tem um hospital de emergência que a socorra quando um acidente acontece?

Agora entendo porque Jesus, ao pregar, chorou olhando para Jerusalém.

"Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!" (Mateus 23 : 37)

O entendimento é único, simples e duro: as pessoas expulsaram Deus de suas vidas, de suas casas, de seus cotidianos, de seus corações. E o efeito disse é desastroso, e pude ver isso nesta inesquecível manhã. Onde há o amor, jamais haverá o descaso, pois o fruto do amor é a compaixão. Quem não a tem, não ama, e quem não ama, jamais conheceu a Deus.

Gilberto Horácio


sábado, 3 de abril de 2010

Você termina exatamente onde tudo começou?

Somos pó. Somos cinza. De lá viemos e para lá voltaremos. Terminaremos, exatamente onde tudo começou. Mas isso é tudo? Certamente que não. Dentro de nós há um espírito e uma alma, frágeis e dependentes de Deus, como uma criança. O espírito é a vida que existe em nós e a alma, de fato, somos nós, com nosso intelecto e consciência, habitando em um corpo de barro.

Quando morrermos nosso espírito voltará ao dono da vida, que é Deus, nosso corpo voltará ao barro e se tornará pó, entretanto, nossa alma existirá para sempre. Ela anseia por Deus, por isso existem as infinitas formas de culto no mundo, porque a alma anseia por Deus exatamente como a corça anseia pelas correntes das águas.

Como poderíamos, então, viver longe de Deus, se somos dependentes d’Ele como seres existentes? A Santidade de Deus está acima de qualquer compreensão, por isso nosso corpo mortal e cheio de imundícia jamais poderia se aproximar de Deus e isso nos faria viver a vida, sem sentido, para sempre; folhas secas jogadas ao vento. Por isso, hoje, comemoramos a Páscoa; ela representa para todos os cristãos, a realidade de estarmos vivendo, novamente, a vida em plenitude, e, para sempre. Nossa alma agora pode ser justificada, santificada, pois Jesus Cristo não teve por usurpação o ser igual a Deus. Antes, assumindo a forma de servo, humilhou-se até a morte, e morte de cruz. Ele se ofereceu em expiação de nossos pecados, nos isentou de toda a culpa, cumpriu a nossa sentença. Pois, a alma que pecar, esse deve morrer. Entretanto, a pena já foi cumprida; pena de morte e, alguém assumiu a postura de morrer por mim, Jesus.

Mas a garantia plena sobre isso que você está lendo agora está no fato de Jesus ter voltado à vida. Ele teve o poder de dar a sua própria vida e voltar a tomá-la. A morte não pode detê-lo. Ele ressuscitou no domingo, no primeiro dia da semana, sendo o primeiro a reviver a alma, dando-nos a garantia que aquele que teve o poder de reaver a própria vida, também terá poder de nos ressuscitar a todos. Esta é a esperança dos que morrem, de voltarem a viver, pela ressurreição dos mortos, iniciada e assegurada por Jesus para sempre. Não somos apenas pó; fomos feitos alma vivente.

Oh minha alma, espera em Deus, confia nele somente.

" Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá;" (João 11 : 25)

Glórias a Ele por esse poder sem precedentes e para sempre. Amém. Esta é nossa páscoa.

Feliz Páscoa.

Gilberto Horácio